Projeto Nascentes do Saí
  • Estudo Socioambiental no Distrito do Saí

    Publicado em 23/01/2020 às 15:32

    O projeto “Diagnóstico Socioambiental para Criação de Unidade de Conservação na Vila da Glória, município de São Francisco do Sul/SC” (projeto Nascentes do Saí) foi celebrado por meio do contrato 23080.039000/2018-90 firmado entre Universidade Federal de Santa Catarina e Prefeitura Municipal de São Francisco do Sul, e tem como objetivo a concepção de um estudo técnico multidisciplinar no Distrito do Saí, buscando atender as seguintes diretrizes:

    • Preservar os recursos hídricos;
    • Disponibilizar recursos naturais à pesquisa científica;
    • Preservar a biodiversidade da fauna;
    • Garantir a conservação do Bioma Mata Atlântica;
    • Melhoria da qualidade de vida de pequenos agricultores e identificação de populações tradicionais e extrativistas da região;
    • Instituir Programas de Educação Ambiental;
    • Proposta de um plano para construção da Política de Conservação e Gestão Territorial da UC.

    Para cumprir o objetivo proposto, o projeto tem caráter multidisciplinar, e conta com uma equipe de professores e estudantes de diversos centros da UFSC e UNIVILLE para realizar estudos sobre fauna, flora, geologia e geomorfologia, socioantropologia, levantamento fundiário e caracterização geográfica do local do estudo.

     


  • Produção de Vídeos do Distrito do Saí

    Publicado em 05/11/2020 às 20:31

    A equipe do Projeto de Extensão da UFSC Nascentes do Saí está trabalhando na criação de vídeos sobre o Saí, sobre a riqueza natural e cultural do Distrito. Para isso, acreditamos que a participação de moradores é essencial, pois são vocês quem conhecem muito bem essas riquezas.

    Ficou afim de participar? 🤩🤩🤩🤩
    Veja as perguntas a seguir 👇👇👇 e envie 1, 2, 3 quantos vídeos você quiser com seu depoimento. Ficou animado em fazer um depoimento sobre todas as perguntas? Excelente! Ficaremos felizes com isso. 🥰

    Perguntas:
    ⛪ Você poderia contar pra gente um pouco sobre a festa da Igreja de Nossa Senhora da Glória. O que você mais gosta da festa? Você acha que essa festa é importante para a comunidade? Por quê?

    👂 Se você fechar os olhos, quais os animais que você escuta?
    🍃 Você consegue ouvir algum som da vegetação?
    🦥 Quais animais você costuma ver quando percorre as matas do Distrito do Saí?
    🌳 Quais as árvores e animais mais chamam a sua atenção aqui no Saí? Por quê?
    🌴 Para você, o que significa essa mata?
    🌳 Você consegue identificar como essa mata influencia na sua vida?

    💦 Se você fechar os olhos, e eu te falar a palavra ÁGUA, o que vem à sua mente?
    💧 Você já utilizou água hoje? Para quê?
    🌧️ Para que você usa água no seu dia a dia?
    💦 Além de beber, cozinhar, fazer sua higiene e molhar as plantas, para que você usa a água?

    Contamos com a sua participação!
    Realização: Projeto de Extensão UFSC “Nascentes do Saí”.
    Ao enviar o(s) seu(s) vídeo(s) você autoriza a divulgação por parte do projeto Nascentes do Saí.


  • Webinar – Apresentação dos Resultados Parciais do Projeto “Nascentes do Saí”

    Publicado em 02/10/2020 às 17:47

    Na próxima quinta-feira, dia 8 de outubro, vamos realizar o primeiro Webinar do Projeto de Extensão Nascentes do Saí, para divulgação do 2º Relatório com os Resultados Parciais obtidos durante as atividades do projeto.

    Será um encontro virtual, em que as equipes de Educação Ambiental e Governança, Flora, Fauna, Socioantropologia, Hidrologia, Geologia e Geomorfologia e Caracterização Geográfica e Levantamento Fundiário vão nos apresentar os estudos realizados, bem como os resultados encontrados nos últimos meses de atividade.

    Durante o webinar, teremos um espaço aberto para perguntas e comentários. Venha participar conosco e saber mais sobre projeto!

    O evento será transmitido, ao vivo, às 19 horas, na página do canal do projeto no Youtube (Link para página).

    Acesse o relatório completo por aqui: Relatório Parcial 2

     

     

     


  • Sítios Arqueológicos no Distrito do Saí

    Publicado em 15/06/2020 às 14:15

    📣Você sabia que na Baía da Babitonga há pelo menos 180 sítios arqueológicos (fotos 1 e 2) que datam a presença de ocupações humanas há pelo menos 6 mil anos! As populações que viveram neste local eram os sambaquianos e os Itararé e Tupi-Guarani, ancestrais dos povos Kaingang, Laklãnõ/Xokleng e Guarani.

     

    🌿 Além desses registros que datam do período pré-colonial brasileiro, o Distrito do Saí possui sítios históricos do período colonial, como antigas fazendas de engenho de farinha, arroz, alambiques, além do Falanstério do Saí (fotos 3 e 4), que foi fundado no século 19 pelos franceses, tendo como princípio o socialismo utópico de Charles Fourier.

    🌎 Percebe-se que o Distrito do Saí é um local rico em cultura e onde se vê importantes sítios arqueológicos e históricos. Isso chama a atenção das pessoas para conhecerem o local, e também é fundamental para entender o processo de ocupação do Distrito do Saí.


  • Dia Mundial do Meio Ambiente

    Publicado em 05/06/2020 às 12:17

    “Neste dia 5 de Junho, celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente, momento especial para refletirmos sobre a importância valorosa da natureza e suas diversas expressões em todo planeta Terra, nossa casa!

    Neste dia, podemos também relembrar que, enquanto seres humanos, somos uma das espécies que participam deste grande ecossistema e rede de relações que o compõe, sendo os principais responsáveis pelo cuidado, gestão e conservação de seus recursos naturais e suas formas de vida. Pelo que a ciência já conseguiu mensurar, a Terra possui aproximadamente 4,5 bilhões de anos e há alguns milhares de anos diversos povos e comunidades, nas diferentes regiões do planeta, relacionaram-se de forma harmoniosa e interdependente com a natureza, aproveitando seus recursos como água, terra, vegetação, minerais, desenvolvendo atividades como agricultura, caça, pesca e extrativismo. Com a intensificação do processo de modernização, industrialização e globalização do mundo a partir do século XIX, se faz notável o agravamento da exploração e degradação dos recursos naturais em todo o mundo, cujos reflexos sofremos e vemos hoje na qualidade de vida do planeta e das relações ecossistêmicas existentes.

    E, diante deste cenário, se faz urgente reconhecermos e aprendermos com os povos originários e tradicionais, que habitam as mais diversas regiões do mundo, a desenvolver modos de vida mais harmoniosos e respeitosos com a natureza, visto que há centenas de anos ocupam seus territórios de forma sustentável, conservando a biodiversidade local e acumulando saberes e práticas essenciais para a saúde do corpo, da terra e de todos os seres a partir de seus costumes e tradições relacionados ao que chamamos de meio ambiente.

    Neste dia mundial do meio ambiente, queremos homenagear os povos originários, indígenas e tradicionais que há tanto tempo vêm protegendo toda a rica biodiversidade em seus territórios, contribuindo para a manutenção e preservação das florestas, rios, matas, ar puro e biomas ao redor do mundo, mostrando o quanto a sociodiversidade é importante para a biodiversidade e o quanto estão interligadas!

    Vale refletir e sentir as palavras do grande pensador indígena Ailton Krenak: “Fomos, durante muito tempo, embalados com a história de que somos a humanidade e nos alienamos deste organismo de que somos parte, a Terra, passando a pensar que ela é uma coisa e nós, outra: a Terra e a humanidade. Eu não percebo que exista algo que não seja a natureza. Tudo é natureza. O cosmos é natureza. Tudo em que eu consiga pensar, é natureza” (Ailton Krenak, “O Amanhã não está à venda”, 2020).”

    Elis do Nascimento Silva – Antropóloga – Doutoranda em Antropologia Social (UFSC) – Equipe de Socioantropologia

    Texto falado:

     

    “A questão ambiental é, antes de tudo, uma questão socioambiental, já que o ser humano não existe sem o seu meio, pois ele está em interação constante com o ambiente. E esse ambiente, por sua vez, influencia, de diversas maneiras, o ser humano. Podemos mesmo dizer que o ser humano é mais uma espécie, dentre tantas outras existentes, que formam esse grande ecossistema que é o planeta Terra.

    No Brasil, a questão socioambiental envolve o direito dos povos ditos tradicionais, que há muitos séculos vem lutando pelo seu direito à terra e a seus modos de vida. Na maioria das vezes, são esses povos que habitam as áreas com maior biodiversidade e podem ser considerados os verdadeiros guardiões da floresta. Seus modos de vida estão intrinsecamente ligados às atividades produtivas que exercem, seja a pesca, a agricultura, o extrativismo. Existe, por parte desses povos, todo um conhecimento tradicional acumulado por gerações. Esses conhecimentos estão em estreita relação com a natureza, incluindo sistemas de classificação, de zoneamento e de manejo. Na definição de Antônio Carlos Diegues, povos ou comunidades tradicionais são aqueles que, têm cultura própria e se reconhecem; possuem organização social própria; ocupam e utilizam recursos naturais como parte de sua identidade; vivem baseados em conhecimentos, inovações e práticas tradicionais; o sistema de exploração dos recursos naturais é sustentável e adaptado às condições ecológicas locais e desempenham papel fundamental na proteção da natureza e na manutenção da diversidade biológica.

    Dessa forma, acreditamos que as políticas públicas ambientais devem incluir e envolver as comunidades locais, detentoras de conhecimentos e de práticas de manejo ambiental. Entendemos que o enfrentamento dos problemas socioambientais no Brasil deve partir da perspectiva de valorização da diversidade cultural e da consolidação do processo democrático no país, com ampla participação social na gestão ambiental.

    E para isso, temos a nossa Constituição Brasileira de 1988, que em seu capítulo dedicado ao meio ambiente, afirma e assegura a proteção tanto da biodiversidade – relacionada aos processos ecológicos, as espécies e os ecossistemas – quanto da sociodiversidade, representada pelos povos tradicionais e seus diferentes modos de vida.”

    Marina Mujica de Paiva – Cientista Social – Doutora em Ciências Humanas – Equipe de Socioantropologia

    Texto falado:

     


  • Primeiro Relatório Parcial apresenta os resultados preliminares do Projeto Nascentes do Saí

    Publicado em 30/03/2020 às 17:49

    O projeto de extensão “Nascentes do Saí” surgiu a partir de um contrato firmado entre a Universidade Federal de Santa Catarina e a Prefeitura Municipal de São Francisco do Sul, para a elaboração de estudo técnico multidisciplinar. Este estudo visa apresentar um diagnóstico socioambiental de uma região com grande diversidade biológica e riquezas culturais, o Distrito do Saí, localizado no município de São Francisco do Sul-SC. Os resultados do projeto embasarão o processo de decisão sobre a possibilidade de criação de uma Unidade de Conservação na área de morros da região, que contém as nascentes do principal manancial do município.
    Deste modo, o estudo contempla o levantamento de espécies de animais e plantas, também aspectos físicos como a geologia, geomorfologia, climatologia e hidrologia, incluindo dados de vazão e da qualidade da água dos principais rios da região. Quanto aos aspectos sociais, está sendo estudada a economia, histórico de ocupação e sítios arqueológicos. Ademais, a equipe do projeto entende que o engajamento da comunidade local e a visão dos que ali vivem é de fundamental importância para a legitimidade do estudo, por isso, também está sendo conduzido um profundo processo de educação ambiental e governança, com os atores sociais parceiros do projeto.
    Para desenvolver este trabalho com o rigor técnico e competência, participam da equipe cerca de 50 pessoas, entre professores e estudantes da UFSC e Univille, além de consultores externos.
    Dentre os produtos gerados estão os relatórios parciais e um relatório final, os quais contemplarão todo o diagnóstico realizado pela equipe. Em fevereiro de 2020 foi entregue à Secretaria de Meio Ambiente de São Francisco do Sul o primeiro relatório parcial do projeto, com os resultados preliminares obtidos em campo. Ao final deste ano espera-se que o estudo seja finalizado, com a apresentação e análises de todos os resultados obtidos durante a execução do projeto.

    Acesso o relatório por aqui: Relatório Parcial Projeto Nascentes do Sai

    Visite as nossas redes:
    www.nascentesdosai.paginas.ufsc.br
    https://www.instagram.com/nascentesdosai/
    https://www.facebook.com/nascentesdosai/

    Dúvidas? entre em contato: nascentesdosai@gmail.com


  • Segunda Audiência Pública Cancelada

    Publicado em 19/03/2020 às 10:19

    Por conta das ações de controle e enfrentamento da pandemia do COVID-19, somadas ao Decreto nº515, de 17 de março de 2020 que declara situação de emergência em todo o território de Santa Catarina, o Projeto Nascentes da Saí, juntamente com a Secretaria do Meio Ambiente de São Francisco do Sul, decidiu por suspender a realização da Segunda Audiência Pública, programada para o dia 31 de março.

    A data da audiência será adiada por tempo indeterminado, até que novas informações sobre a pandemia sejam divulgadas.

    As novidades e programação atualizada serão divulgadas nas redes sociais do projeto, bem como aqui na página.


  • Chamada para Audiência Pública

    Publicado em 13/03/2020 às 12:15

    No dia 31 de março, terça-feira, acontecerá a segunda Audiência Pública do Projeto Nascentes do Saí, que tem como objetivo a apresentação dos resultados parciais das diversas equipes de estudo do projeto.

    A Audiência ocorrerá na Escola João Alfredo Moreira, às 19 horas, na Vila da Glória.

    Venha participar e saber mais do que está acontecendo no projeto!

    Contamos com a sua presença!


  • Atividades de Educação Ambiental e Governança no Distrito do Saí

    Publicado em 20/02/2020 às 17:03

    Uma das equipes do Projeto Nascentes do Saí é a de Educação Ambiental e Governança, que atua junto com a comunidade local e tem o objetivo de incentivar e mobilizar uma participação ativa nas ações do Diagnóstico. Como forma de criar e fortalecer a relação entre a população e as equipes do estudo, além de esclarecer dúvidas da comunidade e fomentar um maior envolvimento nas atividades do projeto. Dentre as atividades realizadas em fevereiro de 2020, destacam-se:

     

     

    Encontro de formação pedagógica “O ambiente local como tema gerador para projetos interdisciplinares”, realizado no dia 05 pela equipe de EA em conjunto com a equipe de professores da escola estadual da Vila da Glória, João Alfredo Moreira

     

     

     

     

    No dia 17, na sala de licitações da prefeitura de São Francisco do Sul, aconteceu a reunião de apresentação do projeto para representantes do Poder Público e Setor Privado.

    Na ocasião os representantes das diferentes instituições foram convidados a participar do
    processo de construção do Grupo de Governança junto à comunidade local, para juntos construírem entendimentos e diretrizes comuns para a conservação e o desenvolvimento no Distrito do Saí.

     

     

     

    Em seguida, no dia 18, foi realizado o 3º encontro de formação do Grupo de Governança com moradores do Distrito do Saí.

    O Grupo de Governança é um espaço democrático de participação, capacitação e tomada de decisões referentes às questões relacionadas com os objetivos do estudo, e faz parte do trabalho sendo realizado para a elaboração de um Diagnóstico Socioambiental no Distrito do Saí.

     

     

    Para saber mais das próximas atividades do Grupo de Governança e da equipe de Educação Ambiental e Governança, fique ligado nas nossas redes sociais:

    Facebook: www.facebook.com/nascentesdosai

    Instagram: @nascentesdosaí


  • Primeira Audiência Pública do Projeto

    Publicado em 08/01/2020 às 17:22

    Na noite de 18 de novembro, cerca de 50 pessoas participaram da audiência pública realizada na Escola Estadual João Alfredo Moreira, na Vila da Glória, em São Francisco do Sul, para a apresentação do “Diagnóstico Socioambiental para a Criação de uma Unidade de Conservação no Distrito do Saí”.

    O procurador da República em Joinville, Tiago Gutierrez, esteve presente na reunião e informou que o projeto é resultado do edital publicado em 2013 pelo Ministério Público Federal para aplicação dos recursos, no valor de R$ 556 mil, de compensação pelos danos ambientais causados pelo emborcamento de uma barcaça da Norsul em janeiro de 2008. A Prefeitura de São Francisco do Sul, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, firmou a parceria com a UFSC para a elaboração do estudo.

    Além da questão da proteção do meio ambiente na localidade, o secretário de Meio Ambiente, Gabriel Conorath, destacou a importância da criação de uma unidade de conservação pela possibilidade de investimentos dos recursos de compensação ambiental no município. “O Ibama determinou que o empreendimento do TGSC (Terminal Graneleiro Santa Catarina), previsto para ser implantado nas proximidades do nosso porto, destinasse R$ 2 milhões para compensação ambiental. Esse recurso deveria ficar no município, onde a empresa irá se instalar, só que está indo para o Paraná. Se nós tivermos uma unidade de conservação em nosso município, esse recurso pode ficar na cidade e ser investido dentro dessa área, com estruturas para visitação para melhorar a qualificação dos espaços para atrair, inclusive, os turistas para o Distrido do Saí e a Vila da Glória. A intenção é fazer com que essas áreas, que são protegidas, possam também se tornar um ganho econômico para a comunidade, mas de forma planejada, com os estudos que serão elaborados nesse período de um ano em que a equipe da universidade estiver aqui”, disse Conorath.

    O professor Rodrigo Mohedano convidou a população a participar das oficinas de educação ambiental e governança que acontecerão no decorrer do ano, também na escola João Alfredo Moreira. O projeto do diagnóstico foi detalhado para a comunidade presente, que pôde tirar algumas dúvidas existentes.

    “Não vamos chegar aqui na casa de vocês e dizer o que precisa ser feito. A ideia é construir esse planejamento junto com as pessoas que vivem aqui no Distrito do Saí. Vocês conhecem bem melhor do que nós, por exemplo, as nascentes que temos aqui. E como se trata de uma região muito rica em biodiversidade, um lugar isolado, pode ter até espécies que são desconhecidas. Somente numa manha, um professor catalogou mais de 100 espécies de pássaros”, disse o professor, destacando que a equipe que trabalhará no Distrito do Saí é formada por especialistas em educação ambiental, fauna, flora, geografia, levantamento fundiário, hidrologia, geologia e antropologia. “Queremos estabelecer um canal para a troca de conhecimento entre a comunidade local e a equipe de estudo, para auxiliar a população com subsídios para a tomada de decisão sobre a criação, ou não, da unidade de conservação”, afirmou.

     

    https://www.saofranciscodosul.sc.gov.br/noticia/7211/diagnostico-auxiliara-populacao-na-criacao-da-unidade-de-conservacao-ambiental-no-distrito-do-sai